Multas em dobro? Saiba como funcionam!

Hoje em dia quase todas as empresas possuem veículos próprios, veículos estes que ficam a disposição de seus funcionários.

Acontece que quando um funcionário toma uma multa com o veículo da empresa, por exemplo,  sem que seja parado em uma blitz, tomando multa por radas por exemplo é necessário que se promova a identificação do condutor, ou seja, indicar quem estava conduzindo no momento da infração. O objetivo da identificação do condutor é indicar quem realmente cometeu a infração já que, por óbvio, uma empresa, ou seja, uma pessoa jurídica, não possui habilitação para receber a pontuação.

É necessário identificar o real condutor, visto que, um dos objetivos da penalização proposta pelo código de trânsito é educar os condutores, inibindo a prática de novas condutas, é uma forma que o órgão fiscalizador possui para punir aqueles condutores que praticam muitas infrações como, por exemplo, suspendendo o direito de dirigir daqueles que atingem pontuação elevada.

A não identificação de condutor infrator impõe uma nova multa, cujo valor é o da multa original multiplicada pelo número de infrações iguais cometidas no período de doze meses, são as chamadas “MULTA NIC” (multa por não identificação do condutor), conhecida popularmente, como multa em dobro.

Ou seja, primeiro a empresa receberá um multa com o valor original, R$ 195,23, em seguida receberá a multa NIC, no valor de R$ 390,46.